Flic Flac – pap

Flic Flac Little Quilt Tutorial


tamanho final da colcha  : 24 “x 24”

tamanho final de um bloco:  6 “x 6”


Flic Flac little quilt



 você vai precisar de:

para o bloco do Flic Flac : 

  1. 3 x 2 1 / 2 “x 45” tiras em creme
  2. 3 x 2 1 / 2 “x 45” tiras na cor rosa 

 vermelho para a borda :

  • 1 x 2 1 / 2 “x 45” em vermelho / vermelho ao meio longitudinalmente

 borda externa:

  • 2 x tiras 2 1 / 2 “x 45”





2 -3 Tiras 2 1 / 2 “x 45

 vamos lá:

Costure cada tira escura e brancos juntos. Coloque a regua de polegadas como mostrado na foto abaixo:

clique para ver uma imagem maior:

o primeiro corte 



virar e cortar o excesso


segunda, terceira, etc .. Cortar / 

costurar todos juntos:

tamanho 6 1 / 2 “x 6 1 / 2”

Avesso:


Instruções para a faixa exterior: Clique na foto para ampliar



Divirta-se!

Fazendo Viés sem o Fazedor de Viés

Não tenho aquele fazedor de viés. o que fazer? 
Facil,   sem ele faço o viés do tamanho que eu quiser sem gastar nada. 
Assim:  você vai precisar de alfinete grande , retalhos de tecido e manta ,  cola em bastão,  uma pinça, viés cortado.

 Sobrepor a manta no retalho .

Clique na imagem para ampliar Pelo avesso, passe o alfinete como a foto.

 No lado direito ficará assim.O tamanho você faz de acordo com o tamanho do viés que quiser.

 Com a pinça puxe a ponta do viés.

 Agora , va puxando…

 Depois,  puxando e passando a ferro para marcar. Querendo passe a cola em bastão para não desmanchar a dobra. Olha, a cola você passa por dentro das dobras.
Fácil , né?

Como Evitar o Desperdício

Ano Novo é hora de nos concientizarmos de que o mundo precisa mudar e essa mudança começa conosco mesmo.  Que tal diminuirmos nosso lixo domestico.

O Brasil é campeão mundial em desperdício de alimentos. Todo ano, joga na lata de lixo o equivalente a 12 bilhões de reais em comida, quantidade suficiente para sustentar 30 milhões de pessoas. Dos 43,8 milhões de toneladas anuais de lixo geradas no país, 26,3 milhões são de comida. O esbanjamento começa no plantio e se repete na colheita, no transporte, na armazenagem, em supermercados, feiras, restaurantes, despensas e cozinhas. 
Muitas vezes não percebemos mas, todos os dias, deixamos de consumir uma quantidade considerável de vitaminas presentes nos alimentos. Casca de ovo, sementes de abóbora, etc. Inúmeros são os exemplos de “restos” de alimentos de alto teor vitamínico que, na preparação de refeições, acabam indo parar na lata de lixo. 
Para termos uma idéia do que costumamos perder, apenas 100 gramas de rama de cenoura têm 25,5 mg de ferro e essa quantidade é o dobro da necessidade diária de ferro para um adulto. Essa parte da cenoura, além de ajudar na conservação do legume, pode ser usada posteriormente na preparação de arroz ou saladas.

Reaproveitamento de restos de alimentos essa é a idéia

Aproveitar sobras e aparas, desde que mantidas em condições seguras até o preparo:

* Carne assada: croquete, omelete, tortas, recheios etc.;

* carne molda: croquete, recheio de panqueca e bolo salgado;

* Arroz: bolinho, arroz de forno, risotos;

* Macarrão: salada ou misturado com ovos batidos;

* Hortaliças: farofa, panquecas, sopas, purês;

* Peixes e frango: suflê, risoto, bolo salgado;

* Aparas de carne: molhos, sopas, croquetes e recheios;

* Feijão: tutu, fejtão tropeiro, virado e bolinhos;

* Pão: pudim, torradas, farinha de rosca, rabanada;

* Frutas maduras: doces, bolo, sucos, vitaminas, geléia;

* Leite talhado: doce de leite.

Alimentos que podem ser aproveitados integralmente:
* Folhas de: cenoura, beterraba, batata doce, nabo, couve-flor, abóbora, mostarda, hortelã e rabanete;

* Cascas de: batata inglesa, banana, tangerina, laranja, mamão, pepino, maçã, abacaxi, berinjela, beterraba, melão, maracujá, goiaba, manga, abóbora;

* Talos de: couve-flor, brócolis, beterraba;

* Entrecascas de melancia, maracujá;

* Sementes de: abóbora, melão, jaca;

* Nata;

* Pão amanhecido;

* Pés e pescoço de galinha;

* Tutano de boi.

Fonte: Mesa Brasil Sesc – Segurança Alimentar e Nutricional

          

Arroz integral com queijo branco e linhaça

Aprenda a preparar essa receita saudável e saborosa

linhaça

Ingredientes
• 1 col. (sopa) de óleo de canola
• 1 cebola pequena picada
• 2 dentes de alho amassados
• 1 xic. (chá)de arroz integral de linhaça
• 2 xic. (chá)de água fervente
• 1 col. (chá) de sal
• 1 embalagem de molho de tomate
• 2 col. (sopa) cheiro verde picado
• 150 gramas de queijo minas
Modo de preparo
Em uma panela média, aqueça o óleo de canola em fogo médio e doure a cebola e o alho. Acrescente o arroz integral, a linhaça e refogue por mais três minutos. Coloque a água e o sal e abaixe o fogo. Tampe a panela e cozinhe por três minutos. Acrescente o molho de tomate caseiro e cozinhe por mais 10 minutos, mexendo de vez em quando, até o arroz ficar macio e cremoso. Junte o cheiro verde e misture.
Receita elaborada pela médica ortomolecular Heloísa Rocha

alimentos funcionais

Histórico

Os primeiros alimentos com algum tipo de modificação para aumentar seu valor nutritivo, especialmente com sais minerais, apareceram na década de 1920. Durante as décadas seguintes houve uma grande desenvolvimento da tecnologia de alimentos em diversos aspectos como desenvolvimento de novos ingredientes, embalagens, equipamentos e processos. Após esse período de desenvolvimento uma nova preocupação, especialmente após os anos da década de 1970 e 1980, foi com o desenvolvimento de característica que além da segurança alimentar e aspectos nutricionais, pudesse oferecer um benefício adicional ao consumidor.
Esta nova preocupação levou ao desenvolvimento dos alimentos funcionais. inicialmente este processo foi mais intenso no Japão onde, a partir de 1993 foi criada uma categoria de alimentos designados Foshu (em inglês: FOSHU um Acrónimo de Food fospecific health use), estes alimentos passaram a ter maior destaque.
Com o aumento da expectativa de vida dos brasileiros e ao mesmo tempo o crescente aparecimento de doenças crônicas como obesidade, aterosclerose, hipertensão, osteoporose, diabetes e câncer, está havendo uma preocupação maior, por parte da população e dos órgãos públicos de saúde, com a alimentação.
Hábitos alimentares adequados como o consumo de alimentos pobres em gorduras saturadas e ricos em fibras presentes em frutas, legumes, verduras e cereais integrais, juntamente com um estilo de vida saudável (exercícios físicos regulares, ausência de fumo e moderação no álcool) passam a ser peça chave na diminuição do risco de doenças e na promoção de qualidade de vida, desde a infância até o envelhecimento.
O papel da alimentação equilibrada na manutenção da saúde tem despertado interesse pela comunidade científica que tem produzido inúmeros estudos com o intuito de comprovar a atuação de certos alimentos na prevenção de doenças. Na década de 1980, foram estudados no Japão, alimentos que além de satisfazerem às necessidades nutricionais básicas desempenhavam efeitos fisiológicos benéficos. Após um longo período de trabalho, em 1991, a categoria de alimentos foi regulamentada recebendo a denominação de “Foods for Specified Health Use” (FOSHU). A tradução da expressão para o português é Alimentos Funcionais ou Nutracêuticos. Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), alimentos funcionais são aqueles que produzem efeitos metabólicos ou fisiológicos através da atuação de um nutriente ou não nutriente no crescimento, desenvolvimento, manutenção e em outras funções normais do organismo humano.
De acordo com a ANVISA, o alimento ou ingrediente que alegar propriedades funcionais, além de atuar em funções nutricionais básicas, irá desencadear efeitos benéficos à saúde e deverá ser também seguro para o consumo sem supervisão médica.
As propriedades relacionadas à saúde dos alimentos funcionais podem ser provenientes de constituintes normais desses alimentos como no caso das fibras e dos antioxidantes (vitamina E, C, betacaroteno) presentes em frutas, verduras, legumes e cereais integrais ou através da adição de ingredientes que modifiquem suas propriedades originais exemplificada por vários produtos industrializados, tais como: leite fermentado, biscoitos vitaminados, cereais matinais ricos em fibras, leites enriquecidos com minerais ou ácido graxo ômega 3.
Um ponto que vale a pena ser comentado, é o fato de alguns alimentos industrializados possuírem concentrações muito baixas dos componentes funcionais, sendo necessário o consumo de uma grande quantidade para a obtenção do efeito positivo mencionado no rótulo. No caso do leite enriquecido com ômega 3, por exemplo, seria mais fácil e vantajoso, o consumidor continuar ingerindo o leite convencional e optar pela fonte natural de ômega 3 que é o peixe. Primeiro, porque normalmente os produtos industrializados com ação funcional são mais caros, segundo pois o peixe tem outros nutrientes importantes a oferecer como proteínas de boa qualidade, vitaminas e minerais. Portanto, o produto contendo a substância funcional não substitui por completo, o alimento de onde foi retirado tal composto, uma vez que apresenta apenas uma característica deste
Ainda em relação aos produtos industrializados com caráter funcional, é importante esclarecer que o simples consumo desse tipo de alimento, com a finalidade de obter um menor risco para o desenvolvimento de doenças, não atingirá o objetivo proposto se não for associado a um estilo de vida saudável levando em consideração principalmente, a alimentação e a atividade física.
Por fim, uma alimentação equilibrada e variada incluindo, diariamente, alimentos de todos os grupos na proporção correta já fornece alimentos com propriedades funcionais naturais, sendo desnecessária a aquisição de produtos funcionais industrializados normalmente com custo mais elevado para obter os nutrientes essenciais e os benefícios à saúde.

Tudo sobre agulhas de costura

Quando se vai comprar agulha de costura de mão (tem as de máquina, também), quase  ninguém sabe dizer qual é qual e para que serve.  Me sinto procurando uma agulha no palheiro, literalmente!
Para facilitar a vida de voces segue o meu guia resumido de agulhas para costura a mão.

Com ajuda de alguns sites  consegui começar a entender qual é a função de cada uma e fazer a correspondência entre os nomes em inglês e o nome que as pessoas realmente usam (ou usaram algum dia no passado!) por aqui.


Costura a mão em geral
Agulhas de ponta normal (Sharps)
Agulhas - Sharp
Como é: Com buraco arredondado e ponta mais afiada, essa agulha tem um comprimento médio.
Serve para: É a agulha comum, que serve pra quase tudo.
Tamanhos: 1 até 16
Agulhas para acolchoar (Betweens ou Quilting)
Agulhas -Quilting
Como é: Agulha mais curta, com o buraco pequeno e redondo.
Serve para: Como essa agulha é mais curta, você consegue costurar mais rápido e com mais precisão. Usadas pra quilting, pequenos pontos em tecidos pesados e costuras finas.
Tamanhos: 1 a 12
Agulhas de ponta redonda (Ball-point)
Agulhas - Ballpoint
Como é: A ponta da agulha é arredondada.
Serve para: Costurar peças em tricô ou crochê, tem a ponta arredondada para que ela passe entre os fios da peças com facilidade.
Tamanhos: 5 até 10
Trabalhos de agulha
Agulhas de bordar (Embroidery)
Agulhas - Bordado


Agulhas -Quilting
Como é: Agulha mais curta, com o buraco pequeno e redondo.
Serve para: Como essa agulha é mais curta, você consegue costurar mais rápido e com mais precisão. Usadas pra quilting, pequenos pontos em tecidos pesados e costuras finas.
Tamanhos: 1 a 12
Agulhas de ponta redonda (Ball-point)
Agulhas - Ballpoint
Como é: A ponta da agulha é arredondada.
Serve para: Costurar peças em tricô ou crochê, tem a ponta arredondada para que ela passe entre os fios da peças com facilidade.
Tamanhos: 5 até 10
Trabalhos de agulha
Agulhas de bordar (Embroidery)
Agulhas - Bordado
Como é: Igual a uma Sharp, mas com o buraco mais longo.
Serve para: Bordar a mão. O buraco é mais longo para passar mais de um fio da meada ao mesmo tempo.
Tamanhos: 1 até 10
Agulhas para contas (Beading)
Agulhas - beading
Como é: Essa agulha é longa e fina.
Serve para: Costurar miçangas, pérolas, paetês e contas no tecido. São tão finas pra poder passar no buraquinho das contas.
Tamanhos: 10 até 15
Agulhas para lã (Chenille)
Como é: Agulha grossa, com o buraco grande e alongado e a ponta mais afiada.
Serve para: Costuma ser usada pra passar fita ou para bordados mais grossos. No buraco dá pra passar várias linhas e a ponta é mais fina pra passar pela trama de tecidos grossos.
Tamanhos: 13 até 26
Agulhas - Tapestry e Chenille
Tapestry é a da esquerda e Chenille a da direita.
Agulhas para tapeçaria (Tapestry)
Como é: Agulha grossa, com o buraco mais longo e a ponta arredondada.
Serve para: Tapeçaria ou bordados em tecidos grossos, como cânhamo, lona, linhão etc. O buraco é maior para passar vários fios de uma vez só e a ponta é mais grossa e arredondada para passar entre fios da trama, sem danificar o tecido.
Tamanhos: 13 até 28
Agulhas curvadas (Upholstery)
Agulhas - Upholstery
Como é: Agulha grossa, longa e curvada.
Serve para: Tapeçaria e costuras grossas em lugares que não dá pra passar uma agulha reta.
Tamanhos: 3 até 12
Passador de elástico (Bodkins)
Agulhas -Bodkins
Como é: Comprida e grossa, com a ponta arredondada. Pode ser chata ou arredondada, com o buraco mais alongado.
Serve para: Passar fitas, elasticos etc.
Tamanhos: 17
Cerzir
Agulhas - darning
É isso mesmo que você tá pensando… Para fazer remendos!
Agulhas - Darners
Agulhas para cerzir algodão (Darner)
Como é: Agulha relativamente fina, com o buraco alongado e a ponta afiada.
Serve para: Remendar buraquinhos nos tecidos.
Tamanhos: 1 até 9
Agulhas longas para cerzir (Long Darner)
Como é: Uma Darner mais comprida.
Serve para: Para remendos maiores.
Tamanhos: 5/0 até 9
Agulhas para cerzir com lá (Yarn Darner)
Como é: Uma Darner mais longa e com o buraco maior.
Serve para: Para remendos feitos com linhas grossas ou lã.
Tamanhos: 15 até 17
Gostou da brincadeira dos remendos?
O site Mostly Victorian tem uma apostila (em inglês) maravilhosa, do tempo em que roupa era tão caro que toda moça de bem tinha que aprender a remenda-las se pretendia andar vestida sempre…
Para pesquisar mais sobre agulhas: